25.9.06

Depois de nada ter a escrever, continuo divagando sobre minha fugaz existência nessa galáxia estranha.
A cada dia diminui minha capacidade de comunicação com os outros e há algum tempo comecei a desconfiar de que minha "prolixidade" atrapalha em muito minhas conversas. Explico:
Falo demais, pelos cotovelos, mãos e boca... Imagino que as pessoas só escutam as duas primeiras frases e todo o resto é uma boca movendo-se muda.
Aí eu falo durante 20 minutos e o pobre interlocutor só escutou o começo e não tem nem idéia do que eu falei durante aquele tempo todo.

Tomar nota: diminuir a intensidade da fala e o tamanho das sentenças.

23.9.06

Chuva




Dia de chuva e nenhuma inspiração.
O tempo passou e eu continuo igual, inerte, pensando em tudo que gostaria de fazer e não faço.
Penso em todas as pessoas interessantes que eu conheci e gostaria de manter contato: lembrei até de uma moça peruana que trabalhava com turismo e tinha um filho deficiente, que eu conheci no albergue de Florença.

Aí lembro que não liguei nem para a minha prima para agradecer o convite de casamento.
Não adianta pensar em coisas que nunca serão feitas, já está mais do que na hora encarar quem eu sou e agir apenas no sentido do que realmente importa.

Só darei nome ao gato quando tiver me organizado...

É só parar de procrastinar...