22.3.06

Pop





“Algumas das minhas canções favoritas: (...) e algumas destas canções eu ouvi cerca de uma vez por semana, em média (300 vezes no 1º mês, e de vez em quando depois disso), desde os 16 ou 19 ou 21 anos de idade. Como é que isso pode não transforma-lo no tipo de pessoa passível de se quebrar em pedacinhos quando seu primeiro amor dá todo errado? O que veio primeiro, a música ou a dor? Eu ouvia a música porque estava infeliz? Ou estava infeliz porque ouvia a música? Esses discos todos transformam você numa pessoa melancólica?
As pessoas se preocupam com o fato das crianças brincarem com armas e dos adolescentes assistirem a vídeos violentos; temos medo de que assimilem um certo tipo de culto à violência. Ninguém se preocupa com o fato das crianças ouvirem milhares – literalmente milhares – de canções sobre amores perdidos e rejeição e dor e infelicidade e perda. As pessoas afetivamente mais infelizes que conheço são as que mais gostam de música pop; e não sei se foi a música pop que causou tal infelicidade, mas sei que elas vêm ouvindo as canções tristes há mais tempo do que vêm vivendo vidas infelizes.”

Nick Hornby - Alta Fidelidade

2 comentários:

Alisson da Hora disse...

Não gosto muito do Nick, mas do Substance...é minha vida, minha alma!!!!

Perséfone Weber disse...

500 dias com ela é romance, mas bom. Já viu? (é q fala de bandas anos 80 inglesas depressivas e de ótima qualidade)