24.7.05

Eu mesma

Não espere coerência, nem concordância.
Meu ser não abarca conceitos, nem rótulos, nem definições.
Sou resultado da subjetividade da alma feminina, com vários toques de inconstância, impaciência e uma dose gigantesca de amor.
Minha existência é um mar de contradições e, se cheguei até aqui, foi por pura teimosia. Como Pessoa, tive em mim todos os sonhos do mundo. A maioria deles, no entanto, ficou pela entrada, em algum butiquim...
Muitas considerações a fazer, só não sei se terei vontade de fazê-las.
Se não, vou compartilhar textos que eu gosto, que me fizeram durante a vida. A todos, desejo uma boa jornada...

2 comentários:

Mme. A. disse...

Acho que eu poderia ter colocado quase o mesmo texto no meu blog. Minha memória não me ajuda, mas é algo mais ou menos assim:

"Não sou nada, não posso querer sem nada, fora isto, tenho em mim todos os sonhos do mundo".

A única diferença talvez, é que não deixo meus sonhos pingarem pelo caminho, escorrerem por entre meus dedos e se juntarem com tantas outras gotas que descem pela sarjeta do mundo. O que escorre eu lambo novamente e devoro. Meus sonhos e meus devaneios fazem de mim o que eu sou e ninguém, nem eu mesma, pode tirar isto de mim. Ninguém mesmo.

Melissa disse...

Engracado, o contato foi pouco, se perdeu pelo meio do caminho, mas eh assim mesmo que sinto voce!

Beijao!